sábado, 16 de agosto de 2008

3 anos e 7 meses, Personal Che e tapiocas, muitas tapicas

Vou começar o post de hoje deixando bem claro que poucas coisas são tão fantásticas no mundo quanto não trabalhar no Sábado. Trabalhar no sábado é uma coisa que cansa muito. Pode parecer um dia como outro qualquer, mas não é. Se você tem uma semana corrida e só tem o fim de semana para descansar e ainda inventa de trabalhar no sábado, sem fim de semana se resume ao domingo e você vai, em geral, usá-lo para deixar tudo pronto para a semana. Portanto eu digo, devia ser proibido trabalhar dia de sábado. E sendo eu uma pessoa de sábados livres, comemoro. E eu acho que poucas pessoas realmente entendem o que isso significa pra mim.

Muito bem, cantei, afinal, na sexta-feira junto com mommy e foi bom e estranho. Bom porque cantar é sempre bom e pq eu achjo que não fui tão mal assim. Estranho porque eu estou acostumada a cantar do lado de um violão, uma coisa caseira, não um microfone e a impossibilidade de se ouvir. Sim, pq não se ouve nada do que se canta no palco. Estou esperando ouvir a gravação pra ver se eu me vanglorio ou se eu queimo o "compacto". Deixo aqui meu agradecimento a Dna. Plita e o Seu Sávio que foram, ouviram e aturaram até o final.:D



Sábado bom, dormir até tarde, ir assistir filme no dragão, Personal Che. Documentário acerca das várias imagens atreladas ao Che Cuevara ao redor do mundo. E se você pensa que o filme se limitou ao apelo fashion que a imagem do Che tem hoje em dia (a C&A é repleta de blusas "dele"), há quem considere o homem um santo e, pasmem, até Nazista! Como assim? Só assistindo o documentário, bem produzido, embora com uns escorregões, como a interferência na crença alheia e no caráter paradão do mesmo. Sem contar que o operador da sala de projeção foi, sei lá, ao banheiro e nos deixou sem cinco minutos de filme.

Tem uma frase no filme que me deixou bastante pensativa. Um fotógrafo diz, acerca da mais famosa foto do Che, que a coisa mais importante que ele fez na vida inteira foi posar para aquela foto, pois ela eternizou um momento e, para muito, é o resumo do que ele é. Comecei a refletir ainda mais acerca da fascinação da fotografia, das imagens, dos momentos. Guardo minhas fotografias com muito cuidado, revejo-as de tempos em tempos. Eu nunca mais serei tão jovem quanto as fotos de 2, 5, 10 anos atrás. Parece uma coisa estúpida de se pensar mas as fotografias eternizam, elas mantêm os mortos vivos, os momentos vivos. Passo horas olhando pra uma foto só. E consigo reviver tudo aquilo. Isso é fascinante.

A tarde e a noite foram dedicadas a tapiocas. Chegamos em casa do cinema e resolvemos nos entupir desta maravilha indígena e eu, enfim, aprendi a amnhã pra fazê-las fininhas e ainda molhadinhas. O que não suspeitávamos era que, oito tapiocas depois, o Henrique nos ligaria para nos dizer que a comemoração de seu aniversário (que foi dia 14) seria nas Tapioqueiras. E dá-lhe mais tapioca. Foi bom, nunca tinha ido lá, é um cantinho bastante simpático. Queria ter feito a piada clássica de olhar pra garçonete e perguntar: "tem tapioca?", mas me segurei. Só sei que não quero mais ver tapioca na minha frente tão cedo.

8 comentários:

Paula disse...

.

"Se você tem uma semana corrida e só tem o fim de semana para descansar e ainda inventa de trabalhar no sábado, sem fim de semana se resume ao domingo e você vai, em geral, usá-lo para deixar tudo pronto para a semana".

Às vezes dá vontade de te esganar pela tua capacidade de sintetizar o que todo mundo quer dizer e não consegue =/

aturar? eu tava achando... show! hehe
O clima tava super! Td mundo se divertiu. Até as cantoras! e do começo ao fim do show! Teve momentos em que fiquei louca pra ir lá na frente dançar, mas não tinha com quem, né? E mesmo que tivesse, eu sou leonina, mas acho que o ascendente em Aquário me aquieta um pouco.

Ah, e tapioca é o que há! Sávio e eu somos fregueses de lá, das Tapioqueiras. A da "Rosinha", que tem as mesas cor de rosa, são uma delícia! As melhores que já provei! Além do Cappuccino de lá vir numa xícara descomunal, ser 2 reais e ter um sabor maravilhoso!

J disse...

Eu tava doida pra dançar tbm.. E teu ascendente TBM é em aquário? :0

hahaha...entramos na primeira tapioqueira que vimos!:P mas de fato as bebidas são bem baratas lá..

cordel eletrônico disse...

O documentário realmente nos instiga sobre a imagem e o seu poder. Passeamos por ele da alienação até a estupidez. O que ficou pra mim foi do poder dessa mídia atuante e sem controle que nos cerca como um tubarão.
Ps: Fora isso adorei também reencontrar minha amiga Jamie para um não combinado filme.

J disse...

hahahaha

Veja só, um ilustríssimo visitante!

E viva o Clube do Professor!

fernando jr. disse...

Tercila's accent: Got tapioca?! o_O

I really liked there but I think it is just expensive... :-P

J disse...

kakakakakaka

I don't think so. If you go to Café Santa Clara, for example, it's just the same price and you don't have so many options. And yes, maybe the tapiocas are a bit expensive, but where else in the world you can find a fine cappuccino for R$1,00?

Jéssica disse...

-_-'
arrrrrrrr *isso foi um suspiro*
tou vendo q vc não gosta MESMO de trabalhar no sábado...
eu não tenho nada contra, ó!!! =P
mesmo pq se eu não trabalhasse no sábado taria na catequese, oq daria mais ou menos no mesmo... *só q sem a parte financeira ><'*
e de qualquer forma, eu não tenho niente pra fazer no sábado mesmo... hehehe -_-'

e sobre as tapiocas...
CARAMBA!!! faz séculos q não como tapioca, MÃINSS como quem tem q fazer sou eu, então não tou afim, não... xD
*a comida perde a graça qd eu mesma faço ><*

Mucilon disse...

Concordo...acho q ninguém deveria trabalhar aos sábados.
É de fato muito cansativo e dificilmente a pessoa aproveita a sexta neh, pensando no dia posterior! ;/
Sim, mudando de assunto, vc canta?
Ihihihi...Q legal! ;DD
Oq tu gosta de cantar normalmente? Qro te ouvir um dia viu?! :)

Bjim!

P.S. Sou louca por tapioca oh, principalmente as doces! Engordo só de pensar... ;~~