sábado, 28 de junho de 2008

Sobre a Sabbathage e o rock


Siiim, eu fui pro Show da Sabbathage!!!
Tá certo que o Cantinho Acadêmico (ou qualquer barzinho aberto) não é exatamente o lugar para um show de Heavy Metal, mas mesmo assim, foi bastante interessante. Eu e meus pais (hahaha...acho que eu era a única pessoa acompanhada dos pais...e eles estavam curtindo, e meu pai me ofereceu outra cerveja...kkk...) realmente nos divertimos (e muito!) e o barzinho lotou!(eu adoro parênteses!:D)

É difícil achar uma banda assim tão boa aqui em Fortaleza. Uma vez que você se propõe a fazer uma banda cover, acho que você realmente tem que entrar no espírito da coisa, e a Sabbathage é mestre nisso. Possuem fidelidade às composições e ainda assim imprimem um estilo próprio às apresentações, afinal, usar uma peruquinha loiro-médio e fazer as caras e bocas do Ozzy não é pra qualquer um. Já tinham meu respeito e ganharam o dos meus pais e da platéia presente em peso. E olhe que meu pai é o ser humano mais chato quando se trata de música. Só reclamo ter acabado cedo. Também, 7:30 que começou?!

Matei o verme de um show um pouco mais pesado e voltei rouca e satisfeita para casa. Mas não deixei de reparar que a população de metaleiros da cidade, que já era pouca, está diminuindo. O rock se popularizou de um jeito meio torto, quem diz que gosta de rock dificilmente conhece os clássicos. Não que não se possa gostar das coisa se não se sabe a origem delas, mas acho que todos deveriam se permitir pelo menos ouvir, ver se gosta, entender o processo que levou a música a chegar no estado que está hoje. Sair por aí com uma blusinha do Nightwish é uma coisa. Escutar Ozzy e considerar que ele faz algo além de berrar é outra. Já perdí muita saliva tentando fazer as pessoas entenderem que o rock vai além das drogas e do demônio, hoje em dia eu me divirto com a ignorância alheia. Acho que é um estado de graça que se atinge. Aí nego regrava as músicas de bandas antigas e aí sim, as pessoas gostam. Pq deixou de ser antigo, agora é fashion, agora é in. E ouvir "tu conhece "against all odds" da Mariah Carey?" me dá nos nervos. Pobre Phil Collins.

5 comentários:

a. disse...

Concordo demais com o que você disse sobre o rock.Eu realmente sou culpada por não conhecer bem o trabalho dos clássicos, dos mais antigos, dos que trilharam o caminho mesmo, mas tenho tentado. Queria mesmo conhecer Black Sabbath. Todo fã da banda diz mesmo que não é gritaria e satanismo.
As pessoas são realmente ignorantes quando se trata de rock. Elas não vêem o quanto as letras e as idéias são de uma sensibilidade muoto maior do que muito cantorznho romântico por aí.O NOFX fez uma música em homenagem ao Van Gogh, poxa!
Tem algo do Black Sabbath pra me emprestar? ;D
Ah, eu amo versões, mas realmente gosto de conhecer a original, senão não tem graça. O bom de conhecer as versões é ver a releitura. Você sabia que até Umbrella da Rhyanna não é dela? É uma regravação dos anos 60?E o Pearl Jam com Last Kiss do Buddy Holly e as múscas dos beatles?
Pois é, pois é.Vamos só rir da ignorância alheia mesmo.

J disse...

Tenho sim, troquemos mp3zes.:D
Num fala em last kiss que eu lembro de tdc...kkk

Paula disse...

eu juuuuuuuro que eu já tentei gostar! =/

J disse...

hahahhahahahaha

Felipe disse...

Nossa, J, só agora descobri o seu blog e sua crítica ao nosso show! Fico muito agradecido pelas suas palavras, sempre tão bem traçadas! E esperamos vc e seus pais em outros shows!

Felipe Albuquerque