sábado, 31 de maio de 2008

Les temps sont durs pour les rêveurs



Les temps sont durs pour les rêveurs

“Tempos difíceis para sonhadores”. Tudo é muito cinza, tudo é o muito seco. Todo mundo tem um par de fones enfiados nos próprios ouvidos, mas ninguém se atreve a cantar junto com a música. Cada um no seu próprio mini-próprio-vip mundinho. Tudo é de plástico, tudo é descartável: copos, amores, pratos, confiança, garfinhos.

Não mais nos permitimos aos pequenos prazeres. Trocamos o olhar marejado de lembrança da infância ao passarmos por crianças buscando brincar na rua por estridentes buzinas, ‘sai-do-meios’ e xingamentos. O ‘bom dia’ dado ao trocador no ônibus ficou enganchado na roleta que me impede a passagem, o ‘muito obrigado’ dado ao motorista ao que desço, é atropelado sem deixar vestígios.

Não mandamos mais cartas, não nos abraçamos, não ouvimos o que o outro tem a dizer sem automaticamente ter algo a replicar, não perguntamos mais às pessoas como se sentem: queremos as grandes novidades, queremos as grandes desgraças. Ninguém demonstra aquilo que realmente sente. O “tudo bom” recebido é automaticamente sacado de volta.

E os sonhadores... os subjetivos e quase extintos sonhadores, após em vão buscarem ultrapassar a barreira de aço natural da imensa massa inerte insensível ao mundo que os rodeia, se buscam incessantemente. Quando se acham acabam criando grupos isolados para auto-preservação; Não percebem que mesmo pintada com belas cores, é metálica a barreira que também constroem ao redor de si.

Só os práticos e racionais sobrevivem inteiros a um mundo em que a comunicação é feita de buzinas e toques de celular. Só os práticos e racionais sobrevivem a um mundo em que sonhar é sinal de fraqueza, inocência, ingenuidade. Mais alguns anos e chamaremos de verdadeiros amigos aqueles adicionados no Orkut, mais alguns anos e casamentos serão selados com apertos de mão.

Jamie Barteldes

01 de Junho de 2008

Trilha sonora: “La valse d’Amelie – Trilha sonora de O fabuloso destino de Amelie Poulain”

14 comentários:

Dino disse...

olha, faça isso comigo não, pare de transcrever tão bem a decepção que eu sinto, justo o que eu imaginei hoje, a tarde inteira ...vc escreveu! agora me surpreendeu, telepatia? vidência? nhaaaaaa... liguei pra vários amigos para jogar bola, não rolou, liguei para alguns próximos para aperriar, saíram... resultado: sucumbi aos amigos "virtuais", fiquei papeando no msn e pra completar, VC NÃO LOGOU, pelo menos se o fez, fez como uma gata, silenciosamente. Nhamm, vou escrever mais não, até comentei tudo que pude nos posts abaixo, meu quarto tá com jeito de "mundinho" e eu estou chateado. Estarei me tornando "virtual" demais? nham...queria ter conversado contigo, devia ter te ligado...ao invés dos meu amigos ausentes!

Dino disse...

"...dos MEUS amigos..."

aaaah...dane-se a ortografia, a semântica e a sintaxe! (pronto, serei esculachado,ou talvez não, mesmo pq eu já errei pacas aqui nos comentários e acho que vcs tb, que atire a 1 pedra quem nunca errou =D)

J disse...

Vixe...passei a tarde pondo tarot pra namorada de um colega meu e depois fui fazer cadernos com o Felipe, por isso só entrei na net depois. Sorry..:(
Mas telefones existem, viu?:P

Existem tardes assim, quando parece que ninguém lembra de você. O bom delas é que ela acaba.
Obrigada pelas visitas regulares a esse blog e pela lembrança. mas da próxima vez, vê se liga, sei lá, botava cartas pra ti tbm :P

Paula disse...

Até hoje tenho medo das cartas da J! Na época que ela as botou pra mim acertou tudo!

J, minha amiga J... Você traduziu em poucas palavras toda a minha angústia. Angústia compartilhada com Sávio, com Leo, com amigos que sentem o mesmo.

Dou carona tdo dia pra 4 adolescentes de 17/18 anos. Às vezes em dia de chuva vejo um arco-íris e faço comentários sobre ele. Outras vezes digo: " Queria ficar que nem esses pescadores que ficam a manhã toda aqui no Cocó, só olhando o rio e fingindo pescar alguma coisa".

Elas simplesmente torcem o nariz e exclamam um sonoro "afff! coisa mais sem graça"!

e voltam a falar de Forró no sítio, Kangalha, etc.

Hoje querem tudo pronto. Não querem saber como foi feito, nem pra onde vai depois. Querem agora, e pronto pra uso, em porções individuais e descartáveis, pra se poder jogar pela janela do carro. "A cidade tem garis pra quê"?

"Digam o que disserem, o mal do século é a solidão. Cada um de nós imerso em sua própria arrogância esperando por um pouco de afeição".

Nem sei se Renato estaria certo hoje. Afeição? Quem quer isso? Felicidade se compra. Amigos são aqueles que dão carona pra balada, que bebem junto e depois deixam recado no Orkut do outro "Ei,man... bombou,né? próxima vez me chama de novo". Pra nunca trocarem idéias de verdade e jamais saberem o que o outro pensa, precisa, quer, sonha...

mas são tão poucos os que sonham hoje!

Adorei esse post! Mexeu mais ainda com minha inquietação mais séria.

felipe disse...

ler a jamie é ouvir a jamie. todo outro comentário direto é vão.

A divagação dos diálogos é permitido pelo que ela escreve, que o diga plita "a pescadora". Por sinal isto me pareceu um..."elogio ao ócio" da sua parte ahuahuahua. Mas nem por isso vc está no circulo de amizades de Russel ( que eu monitoro aqui no ceará)

J disse...

as coisas realmente bonitas da vida estão sendo esquecidas. Não é que a internet seja ruim, a internet é ótima, provavelmente não nos falaríamos tanto se o msn não estivesse sempre ligado. As ferramentas de interação hoje são outras. Quando bem usadas, são altamente eficazes. Mas o mundo é fútil, o mundo é imediato.
Quer um exemplo interessante: a ponte metálica. Costumava ser o point da juventude, hoje só vai quer quer namorar, tocar violão ou vender rosas:P
E nem assim é bastante visitado.
Ver o sol se pôr é algo muito chato pras pessoas e pra mentalidade do mundo de hoje.

eu adoro mexer com a inquietação das pessoas:P

"Digam o que disserem, o mal do século é a solidão. Cada um de nós imerso em sua própria arrogância esperando por um pouco de afeição".

e eu até completaria, esperando, mas não ansiando. Tocar as pessoas hoje em dia é um crime, elas se assustam.

J disse...

"ler a jamie é ouvir a jamie. todo outro comentário direto é vão."

(Jamie olha para a janela, vê o sol entrando, ouve um outro barulho de passarinho ensurdecido pelo ronco alto de um motor de caminhão, suspira profundamente e diz.."alguém me compreende!")

J disse...

Comentário da Kel pro e-mail:


eis q vejo embasbacada a mesma poetisa q me deixou boquiaberta nas primeiras cronicas que me mostrou, cinco anos atras...nao tenho o q dizer, so pude sentir, sofrer suas palavras...

Sapily disse...

Nossa, caí por acaso no seu blog e li esse texto maravilhoso.
parabéns pelo ponto de vista, pura e triste realidade... infelizmente.
o coração virou pedra, mesmo.

J disse...

Grata, Sapily!
Volte sempre!

**Snow White Queen** disse...

Posso, por favor adicionar esta pérola ao meu blog??

J disse...

Fique à vontade, Snow White Queen.

**Snow White Queen** disse...

Adicionado (um ano depois) e devidamente creditado.
;)

Anônimo disse...

Nice brief and this fill someone in on helped me alot in my college assignement. Gratefulness you seeking your information.